sábado, 30 de julho de 2016

Noroeste adere ao Profut, além de ter as dívidas negociadas


Estevan Pegoraro, presidente do clube em exercício
Foto: Bruno Freitas / EC Noroeste

Através da presidência do clube, o Noroeste retomou a adesão ao Profut (Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro) nesta sexta-feira (29), conforme informação de Estevan Pegoraro através da assessoria de imprensa do clube, "O que havíamos prometido foi cumprido. Os pagamentos para a adesão ao Profut foram feitos, estamos adimplentes com a prefeitura e começamos a negociar os débitos com a Justiça do Trabalho. Nos próximos dias teremos todas as certidões negativas em mãos e, a partir daí sim, começaremos a pensar no futebol".

Segundo Pegoraro, já foram acertadas as documentações junto a Receita Federal e com a Caixa Econômica Federal, " O Noroeste foi readmitido ao Profut e as parcelas atrasadas serão pagas da seguinte forma: todo mês efetuamos o pagamento de duas parcelas, uma do mês vigente e uma dos meses vencidos", explica o mandatário alvi-rubro.

Profut

Os clubes que aderem ao programa têm um praze de até 240 meses para pagar suas dívidas, além de descontos decrescentes ao longo do tempo. 

Ao parcelar os débitos, o valor do passivo do clube tem 70% de descontos em multas, 40 % nos juros e 100% dos encargos legais.

Noroeste e prefeitura entram em acordo

O impasse entre o clube e a prefeitura sobre o IPTU do ginásio Panela de Pressão chegou ao fim, após Estevan se reunir com o Secretário de Finanças de Bauru ao longo dessa semana, chegando a um acordo de pagamento de 60 prestações, cujo os meses de Junho e Julho já foram pagos pela administração do clube.

Justiça do Trabalho

Com diversas ações trabalhistas, o Noroeste corre em busca da negociação através do presidente Estevan Pegoraro, que segue empenhado em dar prosseguimento nas tratativas sobre as pendências trabalhistas do clube.

O presidente compareceu a Justiça do Trabalho e está negociando um acordo para pagamentos da ações dentro da realidade financeira da maquininha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário