terça-feira, 13 de setembro de 2016

Noroeste recebe apoio de representantes da torcida para negociação de possível venda


presidente Estevan Pegoraro, ao centro, em reunião com membros da torcida noroestina
Foto: Bruno Freitas/EC Noroeste

A diretoria do Noroeste se reuniu nesta manhã de segunda-feira (12/09) com representantes das torcidas organizadas Sangue Rubro, Falange e Associação Avante Rubro para explicar, detalhadamente, na sede do clube, a atual situação da saúde financeira do Alvirrubro e a proposta de venda do patrimônio físico para o município com exclusividade de arrendamento para o Noroeste.

Já sobre o ginásio, o acordo da Prefeitura de Bauru com o Norusca ainda continua pendente sobre o uso do Panela de Pressão. Conforme já noticiado, o prefeito e a Seplan terão que agilizar algo que vem sendo protelado pelo Poder Executivo há 90 dias e terão que atualizar a planilha de cotação do aluguel do Panela até sexta-feira, prazo limite estipulado pelo presidente do clube, que deverá lacrar o Complexo e o ginásio, além de enviar ofício de despejo para a Semel e a todos que utilizam o ginásio noroestino de forma inadimplente há quatro meses. É o que afirma a diretoria do Noroeste com apoio das torcidas organizadas. A diretoria vai acionar o Conselho Deliberativo para reunião no momento oportuno.

ARRENDAMENTO DO COMPLEXO

Estevan Pegoraro explicou em reunião, e recebeu o apoio dos representantes das torcidas noroestinas, sobre o seguinte plano de venda de todo o complexo pertencente ao Noroeste e arrendamento:

“O devedor que se preze, precisa honrar suas dívidas. E como vamos pagar se temos um patrimônio avaliado em R$ 40 milhões que não me gera um centavo sequer de receita? O caminho para o Noroeste se tornar subsistente é a venda do patrimônio para a prefeitura, que poderia assumir o Complexo em troca da dívida do clube. Neste caso, o Alvirrubro teria como principais despesas apenas os seus funcionários e elenco, enquanto os débitos seriam pagos pelo município aos credores, como forma de pagar o Noroeste pela aquisição da área. O prefeito Rodrigo Agostinho, em reunião comigo, já demonstrou interesse em assumir o local e negociar os detalhes. Mas eu preciso saber se ele vai fazer isso já, e não deixar para o próximo prefeito, porque temos pouco mais de 100 dias para preparar a disputa da A3 do Paulista”, disse Pegoraro.

DÉFICIT DO NOROESTE

“O Noroeste não é um clube falido, mas pode se tornar inviável financeiramente. Não somos falidos porque as dívidas do clube somam quase R$ 10 milhões, todas negociadas, porque não estamos mais no vermelho, e o patrimônio que temos é avaliado em R$ 40 milhões. Mas a gente precisa que este patrimônio nos gere receita. A receita mensal hoje é de aproximadamente R$ 70 mil, sendo que R$ 40 mil é do repasse de ISS da Tel para o projeto social que atende mais de 450 crianças. Enquanto as despesas fixas mensais giram em torno de R$ 65 mil. Quantia equivalente a manutenção do Complexo e pagamento de salários e encargos trabalhistas. Falando em dívidas trabalhistas, o clube precisa pagar mais quase R$ 100 mil por mês, sendo R$ 40 mil em acordos trabalhistas, R$ 32 mil em parcelas relativas a IPTU atrasado, mais de R$ 10 mil do IPTU atual e mais de R$ 15 mil para o Profut (renegociação de dívidas federais)", conforme detalha a diretoria do Noroeste.

TORCEDORES SE PRONUNCIARAM

Logo após o término da reunião entre a diretoria do clube com representantes da torcida, houve também uma coletiva de imprensa. Veja o que os torcedores disseram em entrevista concedida por meio da assessoria de imprensa do Noroeste:

VITOR VIEIRA AGRELLA – PRESIDENTE DA FALANGE: “Foi a primeira vez que tivemos esse contato direto com o novo presidente. E ele tem nosso apoio com relação as decisões que estão sendo tomadas. Infelizmente alguns outros esportes podem ser prejudicados devido ao não cumprimento do acordo da Prefeitura, mas o Noroeste não pode ser o único com o ônus. Esperamos dias melhores e concordamos sim em lacrar o ginásio e não deixar ninguém entrar no que é nosso, até que o impasse seja resolvido e eles paguem o que devem ao Noroeste.  

GUSTAVO LOPES – PRESIDENTE DA SANGUE RUBRO: “É lastimável essa situação onde administrações passadas, do Noroeste, de tempos longínquos, empurraram com a barriga e a situação chegou a este ponto de hoje. Não gostaria de ver o patrimônio do clube ser passado para a prefeitura, mas, infelizmente, na atual condição, entendemos que é a melhor forma. E que precisa sim ser estudada para que o clube tenha suas dívidas quitadas e possa continuar usufruindo do patrimônio em forma de arrendamento. Já sobre o ginásio, com esse arrendamento, a prefeitura poderá continuar utilizando o ginásio”.

JOSÉ ROBERTO PAVANELLO SILVA – DIRETOR ASSOCIAÇÃO AVANTE RUBRO: “Tivemos uma boa impressão de tudo o que a diretoria nos passou. Nessa linha de pensamento que foi exposta, é interessante a proposta e muda a imagem do torcedor, porque o caminho realmente pode ser este, da venda para a prefeitura e a exclusividade de arrendamento ao Noroeste.

Na foto acima estão presentes Cledison Brandino, sócio da Sangue Rubro, Vitor Agrella, presidente da Falange, Vinícius Mansano, diretor da Falange, Mosca, vice-presidente do Noroeste, Estevan Pegoraro, presidente do Noroeste, Paulo Godoy, administrativo do Noroeste, Gustavo Lopes, presidente da Sangue Rubro e Pavanello, diretor da Associação Avante Rubro.

Por Bruno Freitas: EC Noroeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário