quinta-feira, 18 de maio de 2017

Celeiro de talentos, família bauruense segue revelando atletas

Por Juliano Gomes
Léo Santos à esquerda, Luiz Miguel e Guilherme à direita no Padilhão
Foto: Sebastião Alves / Divulgação

Com ligação direta na fundação e manutenção do tradicional SC Corinthians do Jd. Prudência, equipe do futebol amador local, família Alves mantém rotina de revelar craques.


De promessa a realidade, o principal jogador da família é o meia-atacante Luiz Miguel, conhecido como Gugu e revelado na escola de futebol da A.A.B. presidida e coordenada pelo Elias de Souza, o Gererê que em sua história revelou mais de 70 jogadores que estão espalhados pelo Brasil e pelo Exterior.

Luiz Miguel em atuação pelo Trasyvoulos da Grécia em partida do nacional
Foto: Arquivo Pessoal

Luiz Miguel que atualmente defende as cores do Goianésia EC de Giás, viveu o melhor momento de sua carreira no futebol da Grécia entre os anos de 2007 e 2010, quando atuou em três equipes: Trasyvoulos (2007/2008) fazendo parte da campanha de acesso da equipe a divisão especial, Ionikos (2010/2011) e Panthrakikos (2011).

Seu retorno ao Brasil se deu após proposta do Botafogo de Ribeirão Preto, que repatriou o atleta onde disputou a Copa Federação Paulista, passando depoispor equipes como Comercial, tamém de Ribeirão Preto, Oeste, Serra Talhada, Marcílio Dias, União São João de Araras e hoje atua no futebol Goiano pelo Goianésia. Em sua carreira, o atleta soma mais de quinze clubes defendidos.

Passagem pelo futebol grego ajudou na projeção da carreira do meia-atacante
Foto: Arquivo Pessoal

Aos 31 anos, Luiz Miguel viveu altos e baixos na carreira, como informado a nossa equipe através de seu Pai Sebastião Alves, o Gordo, que hoje comanda a equipe do Corinthians do Jd. Prudência, clube pelo qual "Gugu" atuou antes de se lançar profissionalmente e não esconde a emoção de falar do filho, que hoje, mais maduro vem se dedicando cada dia mais a profissão e serve de espelho para seu filho que com apenas 9 anos já inicia no futebol, defendendo a camisa do Talentos 10 FC na disputa da Copa Big Boys.

Tradição em família

Gordo começou a jogar futebol em José Bonifácio, depois se mudo para Bauru onde disputou com o Corinthians a Copa Nivaldo Cardia, fazendo parte da equipe que conquistou o acesso da segunda para a primeira divisão e sendo campeão em 1992.

Da esquerda para a direita, Gordo, Léo Santos, Luiz Miguel e Guilherme
Foto: Sebastião Alves / Divulgação

A sequência de talentos veio com Luiz Miguel que se projetou profissionalmente, além de ter defendido equipes do futebol amador de Bauru, como o SC Corinthians, Unidos do Bauru XVI FC, Arsenal FC e Parquinho FC, conquistando títulos.

Terceira geração

Ainda em conversa com Gordo, ele não escondeu a alegria de ver seus netos despontando para o futebol, como o caso do menino Léo de apenas 16 anos, que estava de malas prontas para o futebol japonês, mas optou por continuar em seu país de origem, orientado pelo treinador Luciano Sato, que também coordena o projeto social, a fazer um trabalho de aperfeiçoamento no Ituano FC para depois seguir rumo ao Japão. Meia-atacante, Léo atua pela equipe sub-17 do Galo de Itu.

Léo Santos ao lado do Pentacampeão mundial Roque Júnior em Itu
Foto: Arquivo Pessoal

Léo não é destaque somente em campo, em casa o garoto enche a família de orgulho pela responsabilidade e força de vontade de alcançar os objetivos traçados, como os estudos e treinos, onde colhe nos dias de hoje bons frutos do seu esforço. 

Atuando em posição diferente, Guilherme que também é neto e atua pela equipe sub-17 do Penapolense. Caracterizado pela forte marcação, o volante ganhou a admiração dos familiares pelo desempenho dentro e fora de campo, cumprindo em dia com as responsabilidades, sejam elas na escola ou nos treinos.

Ambos garotos, passaram também pelo SC Corinthians em competições amadores (Guilherme atuou como titular com apenas 14 anos) e depois seguiram para os clubes que defendem atualmente. Gordo ainda fez questão de lembrar e agradecer ao Rodrigo da cidade de Agudos, responsável por intermediar a ida de Guilherme ao Penapolense.

Perguntado sobre o sentimento de ver a terceira geração sair de casa cedo para viver o sonho, Gordo nos disse que o sentimento é de alegria pois viveu o que os meninos vive hoje e no papel de avô e pai, tem a consciência tranquila por ter feito e ainda fazer o possível para que os meninos realizem os sonhos.

Um comentário: