PESQUISE

Marcada por nervosismo, Final é desequilibrada por Tander e Almeida levanta o título de campeão da Copa Nove de Julho.


Equipe do Almeida em comemoração do título da Copa Nove de Julho















Foi um jogaço. Como era de se esperar, 100% Nove de Julho e Almeida fizeram um duelo digno de uma grande final na tarde deste domingo (21/02) pela Copa Nove de Julho / Bar do Mineiro 2016.

A partida que começou às 16:00 estava lotada de espectadores, que em sua maioria, eram moradores da própria comunidade da Vila Nove de Julho e de bairros adjacentes, como Parque Roosevelt, Parque Jaraguá, Núcleo Fortunato Rocha Lima e Parque Santa Edwirges.

A adrenalina estava estampada em cada rosto dos jogadores de ambas as equipes. Enquanto o time do 100% entrava em campo acompanhado do estourodos rojões, o time do Almeida tinha o apoio incandescente de sua torcida, que em maior tom gritava, cantava e dava aquela força extra motivando cada jogador.


O Almeida, dono da segunda melhor campanha de todo o torneio, entrou em campo com Rafa, Niltinho, Gabi, Silvinho, Kaique, Canário, Alemão, Alex, Gilsinho e Tander. Já o 100%, equipe da melhor campanha, foi escalado com Jacaré, Marcelo, Eber, Amarelo, Luan, Hendrick, Reginaldo, Eto’o, Índio e Claudinei.

No cara ou coroa, o 100% saiu com a posse de bola. E após o apito inicial de Ricardo Fabris Fontes, Amarelo já carregou a bola pelo meio campo e finalizou de longe para boa defesa de Rafa; aos dez segundos de jogo.

O Almeida respondeu logo na sequência com Tander. Canário cobrou escanteio pela direita e na segunda trave o camisa dez apareceu livre de marcação e cabeceou pra fora, desperdiçando a primeira grande oportunidade de gol da partida.

Aos 17, o Almeida quase abriu o placar em bela cobrança de falta de Canário, que do lado direito, acertou o travessão do gol defendido por Jacaré.

Dois minutos depois, após desentendimento, Eber foi expulso de campo e deixou o 100% com um homem a menos.

Á partir daí, o time passou a jogar mais na opção de contra-ataque e apertou a marcação na troca de passes do time do Almeida.

Gilsinho em cobrança de falta para o time do Almeida

Aos 24 minutos, Claudinei roubou a bola de Alemão na lateral esquerda, avançou em velocidade e deu um bico na bola tentando encobrir o goleiro Rafa, que adiantado, voltou correndo de costas para o gol e viu a bola sair por cima de sua meta.

Com 30 jogados, Alex cobrou lateral pela direita diretamente na área. A zaga do 100% afastou parcial e Silvinho aproveitou a sobra. O camisa dezenove limpou a marcação, ajeitou para o pé esquerdo e chutou no canto, para grande defesa de Jacaré que salvou o gol com seu pé esquerdo.

No último minuto da etapa, o Almeida promoveu a primeira substituição na partida. O camisa dezessete Niltinho saiu para a entrada de Thiaguinho, que foi à campo com a camisa de número dezesseis.

O primeiro tempo, totalmente equilibrado chegou ao fim. E no intervalo, o 100% promoveu a troca de Reginaldo por Vinicius.

O segundo tempo começou e o Almeida veio fulminante. Em apenas um minuto, o time abriu dois a zero em duas jogadas e praticamente liquidou o adversário.

Aos quatro, Canário levantou bola na área a meia altura e Tander, de costas para o gol, desviou de cabeça jogando a bola no canto direito de Jacaré, fazendo um a zero.

Em seguida, aos cinco, Silvinho desceu em velocidade pela esquerda, cruzou na medida para área e Tander, livre de marcação cabeceou firme no meio do gol para fazer o segundo do Almeida.

O 100% sentiu o baque. Tinha ainda 25 minutos para correr atrás do prejuízo e levar a partida pelo menos para a disputa de pênaltis.

Para isso, o time promoveu a entrada de Thiaguinho no lugar de Claudinei e Jeferson no lugar de Hendrick. O Almeida também mexeu e pôs em campo Fabinho no lugar de Tander, Gustavo no lugar de Canário e Fernando no lugar de Kaique.

Contudo, no decorrer da etapa ainda aconteceram as expulsões de Alex, do Almeida; e de Thiaguinho, do 100%, que desfalcaram suas respectivas equipes. Prejuízo maior para o 100%.

E como desgraça pouca é bobagem, para a sorte do Almeida e infelicidade do Nove de Julho, o goleiro Jacaré, do 100%, se atrapalhou com a bola nos pés na tentativa de repor a bola em jogo, sofreu pressão e foi desarmado por Fabinho, que cruzou na área onde Silvinho, livre de marcação e de frente para o gol aberto, deu apenas um carrinho para empurrar a bola para o fundo da rede e sacramentar a vitória do Almeida; aos 32 minutos.

Equipe do 100% Nove de Julho com a posse de bola durante o jogo

Três minutos mais tarde, Ricardo trilou o apito final e o Almeida pode comemorar além da vitória, o título de campeão da primeira edição da Copa Nove de Julho. De quebra, a equipe ainda pode se gabar de ter sido o único representante do campeonato a condicionar ao 100% suas duas únicas derrotas ao longo dos nove jogos disputados.

O 100% encerra sua participação na Copa com 77,78% de aproveitamento distribuído em nove jogos; com sete vitórias e duas derrotas. Luizinho, com nove gols, foi seu artilheiro.

Já o Almeida, no mesmo número de partidas, obteve campanha de 74,07% com seis vitórias conquistadas, dois empates e apenas uma derrota sofrida.

“Nós viemos focados para ganhar o campeonato. Infelizmente perdemos no decorrer para o mesmo time que agora na final nós perdemos. Acredito que o time conquistou o mais importante que foi a confiança da torcida, que sairá daqui com a gente para o campeonato amador. Essa derrota que nós tivemos aqui é para levar adiante e corrigir os erros. Tenho certeza que o Almeida veio mais preparado, mais focado para a partida e por isso eles mereceram a vitória em cima da gente.Fazendo um balanço desta equipe, acredito que o que mais temos a corrigir é o temperamento de um ou outro jogador que não soube se controlar no momento certo”, declara Leonardo Nascimento, diretor responsável do 100% Nove de Julho;que enfatiza: “Nós estamos de parabéns pela humildade e pelo que nós conquistamos hoje (ontem). O Nove de Julho formou uma família.”

Já Tander, o homem dos dois primeiros gols do duelo, aproveitou para agradecer a oportunidade de atuar pelo time do Almeida e ressaltar a experiência dos jogadores que foi fator decisivo para que conquistassem o título:

“Nosso time foi se organizando durante o campeonato, foi arrumando as peças e consequentemente foi crescendo. Pelas beiradas nós chegamos à semifinal e agora na final contra o time do Nove de Julho, que era o favorito e nos sobressaímos. Creio que a experiência da nossa equipe prevaleceu em relação a eles. Porém quero agradecer à organização do campeonato, que estão de parabéns pelo que fizeram; pelo adversário também e ao Almeida, pela oportunidade que me deram de participar do time e de poder retribuir ajudando com dois gols na final.”

Para Allan Roberto, organizador do campeonato, o torneio foi um verdadeiro sucesso pelo fato de proporcionar lazer a toda comunidade da região, que vinha sofrendo carência de diversão aos finais de semana:

“O campeonato foi produtivo. A comunidade estava carente, não tinham nada para fazer aos domingos e nós conseguimos lotar o campo e trazer um divertimento para a população do Nove de Julho, Jaraguá, Santa Edwirges, Fortunato e adjacências. Para mim foi muito proveitoso ver o pessoal, toda a população que não tinham nenhuma atividade, poder reencontrar os meus amigos... enfim. Foi muito motivante.Estão todos de parabéns.”

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.